Faroeste Barroco

O chão é duro como tapa na cara do pai. Ardido como cachaça.
Eu levei um tiro bem no coração e agora cuspo sangue. Ele me acertou e o chão é duro como tapa do pai e as pedras ardidas como cachaça. Eu boto a mão em meu peito e tento puxar o ar de uma gorfada de cachaça mas me engasgo. Daqui só vejo o sol por trás das montanhas se indo enquanto meus olhos se fecham caindo como o sangue por trás das montanhas e o chão é duro como a mão áspera do pai e as pedras que ardem minha visão queimam como o sol.
Ele me acertou e ainda vem aqui. Eu vejo ele vindo. Ele me acertou e se ao menos eu pudesse pegar minha arma mas aquele canalha me pisa a mão e me quebra os dedos e ainda me chuta me vira e cospe na minha cara e me aponta essa faca esse filho da puta maldito que eu amo.
O chão é duro e áspero como a mão que dá o tapa na cara do pai por essa vergonha toda de ser pai e o sangue nesse chão me ofusca a visão cada vez que eu vejo uma cena como essa o tapa na cara do filho do pai maldito filho da puta que vem aqui e cospe na minha cara e me aponta a faca e ri sangue na minha cara e diz que bandido bom é bandido morto bandido é você é você mesmo seu filho duma puta cadela do caralho deu a cara ao tapa e agora reclama deu o tapa e agora quer esconder a mão quer esconder a cobra seu merda vai beber cachaça barata no meu velório vai beber sangue no meu defunto seu filho da puta olha na minha cara a cachaça vai baixando e ofusca minha visão lá de trás da montanha é tão bonito que o sol sangra e ele vai baixando e eu baixo a visão pra não ver mais nada já não vejo mais nada não quero ver mais nada desse filho da puta que me cuspiu na cara cachaça meu filho da puta que eu tanto amei e agora me chuta e me cospe a cara e me aponta essa faca vagabunda bandido bom é bandido morto bandido é você velho filho da puta do caralho que me enfiou uma bala bem no meu dos cornos e agora comemora bebendo cachaça com as puta mãe dele filho da cachaça que me baleou na frente de todo mundo todo mundo e ainda vem me aponta faca nesse chão duro como o tapa que eu dei na cara dele e fez ele cair nesse chão duro e cada pedra refletia a luz do sol refletia a luz do ódio na cara dele abre o coração abre e deixa sangrar até cuspir sangue cuspir cachaça na tua cara velho bandido filho da puta que eu amo.
Se eu ao menos pudesse pegar minha faca e olhar nos olhos dele e falar filho da puta se eu pudesse olhar nos olhos dele que eu te amo como a minha arma como cachaça como sangue e falar filho não escuta essas putas essa cachaça vagabunda filha da puta ele me acertou e eu amo e agora eu sangro cachaça e cada pedra me rompe o coração e eu cuspo sangue na cara do filhos da puta que eu amo cuspo cachaça na cara desses vagabundo que me atiraram nesse sol tão quente e tão duro como o tapa na cara do filho que leva o tapa na cara pelo tapa na cara do pai vagabundo o tapa na cara do filho é duro como cachaça que arde como sangue é de cachaça meu coração meu filho meu tesouro filho da puta que eu amo.
Ele me acertou esse filho da puta vagabundo.
Ele me acertou. Ele me acertou.
Eu te amo.
Arde como cachaça. Queima como cachaça.
Ele me acertou.
O chão é duro como tapa na cara da cachaça.
Eu te amo meu filho da puta. Eu te amo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s